15 setembro 2015

Eu queria levar poemas para combater a guerra

Eu queria levar poemas para combater a guerra
O ódio, a intolerância, o egoísmo
Mas os mortos já não podem ouvir
Jazem de olhos esganados à procura
Da luz da última estrela.
Os vivos estão surdos e esqueceram
Que saber ler é agora um luxo.
Nada conta a não ser a réstia de água
Que escorre furtiva na lixeira que se avista
Eu queria levar poemas para combater a guerra
Mas esbarro no pavor quando olho
E vejo as minhas mãos tintas de sangue
Dou por mim a implorar que a cor fosse verde
E que os rios transportassem pão e vinho
E que o mar não estivesse tinto de ódio
Transformado em negra cloaca dos senhores da guerra.
Outrora  brancas as velas, deram lugar à borracha
Camuflando  caixões modernos feitos da última árvore
Que nasceu , não para fazer sombra, mas para ocultar
O horror do desespero, o grito sufocado pela vaga clandestina
A que chega na rebentação e trás já o poema  amortalhado.
Maria João Nunes


Os náufragos de Medusa
óleo sobre linho 491 x 716 cm
Paris ,Museu do Louvre

1 comentário:

António Jesus Batalha disse...

Passando pela net encontrei o seu blog, estive a folhear achei-o muito bom, feito com muito bom gosto.
Tenho um blog que gostava que conhecesse. O Peregrino E Servo.
PS. Se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais faça-o de forma a que eu possa encontrar o seu blog para o seguir também.
Que haja paz e saúde no seu lar.
Com votos de saúde e de grandes vitórias.
Sou António Batalha.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/