08 abril 2010

Palavras em fuga

Ainda há bocado passou por aqui uma palavra a fugir!
Já não me recordo qual, levou a frase inteira com ela.
Perdi-lhe o sentido. Agora, só esperando que regresse.
Talvez em cachos como as uvas. Gosto de as tragar uma a uma.
Senti-las esmagar na minha boca. As palavras.
E quando elas vêem, assim em catadupa, qual vulcão de lava
Incandescente, abro-me por inteiro e abandono-me ao gozo
De sentir que através delas vim até a este momento. Aqui.

6 comentários:

Anónimo disse...

Olá amiga !
Finalmente visitei o teu blogue .
Parabéns
Não desistas
Beijinhos

Petrarca disse...

Sorte a sua que só viu uma palavra a fugir. Eu vejo-as às dezenas e não consigo agarrá-las. Nem tenho a esperança de as vir a agarrar algum dia. Em geral vejo-as sempre com outros, nunca comigo. Lá apanho uma ou outra, já meia coçada pelo uso e pelo abuso, trôpega, quantas vezes agarrada à bengala habitual. As que têm asas e voam, passam por mim muito alto, longe do alcance do meu tiro.
Eu fico cá em baixo, a atirar aos láparos rasteiros.

arroba disse...

Ao "Anónimo" que me trata familiarmente por "Amiga": - Claro que não desito, se ler com atenção , Poderá confirmar que já levo uns anos "disto"; desistirei apenas por motivo imponderavel, que me iniba de continuar a ser Eu mesma -:)

arroba disse...

Querido Petrarca!
Sorte minha ou azar! vejo uma palavra a fugir de cada vez, o que no conjunto se pode traduzir em frases e parágrafos inteiros. Esta minha memória anda cada vez mais avariada, a vida encarregou-se de me fazer esquecer tanta coisa, mas não aquelas que eu quereria mesmo esquecer!
As palavras que têm asas...pois...essas nem sei se passam, alto ou baixo; cada vez mais a minha vista menos alcança.
E por falar em atirar aos láparos...dizem que : "cada tiro , cada coelho". Perdi a caçadeira -:)

maverick disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
maverick disse...
Este comentário foi removido pelo autor.