11 janeiro 2010

Às vezes não me conheço
Nem a mim, nem a ti.
Existe mais medo que coragem
Nesta forma de desconhecido
Fingindo que sim.
Que para ti e para mim
Tudo faz todo o sentido.
Tanta mentira assumida
Quando a verdade era
Mais fácil de ser vivida.

11 comentários:

cantinhodacasa disse...

Olá.
Tem uns textos poéticos bonitos e sensíveis.
Ah! A imagem deste tenplate, tenho-a eu em quadro que comprei no Museu do Louvre.

Adorei. e tive de a comprar.


Beijinho e

Petrarca disse...

Eu diria que uma vez ou outra desconhecemo-nos. Serei eu? Terei dito/feito isto?
Quanto mais tentar conhecer uma outra pessoa...

Arroba disse...

cantinhodacasa, agradeço a sua passagem neste "recanto", tenho-a lido em outras águas, seguiu-me o rasto, agradeço a visita.
Tenho consciência que esta temática não se presta muito a comentários, é mais um local de passagem onde se lê e segue-se para outras paragens.
Mais uma vez, obrigada :)

Arroba disse...

De facto caro Petrarca, de quando em vez deixamos de saber quem somos.
Talvez, por isso mesmo, nem eu saiba se será o Petrarca ou um outro/a qualquer. È que o ser humano é tão imprevísivel...e eu ainda nem sou dos piores... outros7as há que se escondem atrás das mais diversas máscaras. :-)

Arroba disse...

"outros há"

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá, gostei da poesia...Especrtacular....
Beijos

Graça Pereira disse...

Há quem goste de viver na mentira: por vício, necessidade ou porque se ame uma vida em duplicado e...como uma bola de neve, ás tantas, já não se sabe o que é mentira ou verdade!
Gostei do teu poema!
Beijo
Graça

Patricia disse...

Gosto muito da maneira como escreve, deixo desde já os meus parabéns :D Consigo interiorizar as suas palavras que me arrepiam a espinha, devido à grande capacidade de expressão e ao vocabulário utilizado :D
Estou a tentar convencer a Inês a criar um blog também! Continue a escrever por si e por todos nós que admiramos a sua escrita.
Beijinhos
Patrícia de Oliveira

Arroba disse...

Patricia, mais uma vez obrigada, por me ler e por conseguirmos comunicar desta forma.
Espero pelo dia em que tb eu consiga ler a Inês, da mesma forma como a leio a si .
Um grande mas grande beijinho.

Arroba disse...

Graça Pereira,
Mais uma vez obrigada pela sua visita e estímulo.
Um abraço

Graça Pereira disse...

Minha Querida
Venho responder à tua pergunta:
Aquele artigo é de um jornalista espanhol do blog "Mundo Aberto".
Quando o li, fiquei tão chocada como tu. Pensei muito se o deixava ficar ou não...Como tenho muitas dúvidas sobre este caso, pensei que, ficando á consideração de quem o lesse, fosse uma ajuda para repôr a verdade que, em meu entender, nunca aparecerá
porque interessa a muita gente( ou será só a alguns?)que ela nunca surja.
Beijocas, minha querida e bom fim de semana
Graça