20 outubro 2008

Volúpia



O Pecado tomou a Experiência por amante, enleou-a nos braços e em total vertigem de absoluto amou-a até à eternidade.
Amou-a com tal volúpia e luxúria, como se tal desígnio estivesse escrito nas estrelas, selo feito de brilhos que chegaram até mim, filha da escuridão.
Em noites de lua cheia, acendem-se nos corpos chamas de vestais, viajando de um templo oculto até um gineceu abandonado, fazendo jorrar cascatas de mandrágora e absinto .
Juntos ganham asas , provando voluptuosamente o fruto do conhecimento de onde nasceu o Desejo.
A Experiência, sacerdotisa possuída pela serpente de fogo, dança em frenesim , corpos suavemente esculpidos na penumbra, escutando em sussurro uma voz forte que a leva ao Paraíso através de portais de alabastro , onde o Pecado nunca tinha entrado ….

1 comentário:

Arnaldo Norton disse...

Não sei que dizer! Leio e releio as suas palavras e de cada vez é uma viagem nova.Sinto vontade de mergulhar nas suas palavras e de me misturar com elas.v