20 junho 2011

No rescaldo piquenique do Continente


Há coisas que eu não entendo e, remando contra a maré, o que quer significar contra a orientação deste blogue, em  que 99,9% do seu conteúdo é sobre poesia,  hoje não resisti a veícular aqui, e desta forma, o meu mais completo desagrado pelo gigantesco  “Piquenique do Continente”.
Começo logo por contestar e, citando a Agência Noticiosa Lusa ” A acção de sensibilização dos consumidores, sob o lema "Optem pelo consumo de leite e de carne da produção nacional" consistia na distribuição gratuita de mil litros de leite, da linha de produtos brancos do mesmo hipermercado que promove o piquenique/festa.
O descarregamento do leite foi interrompido pela polícia que ordenou a saída do veículo do local.
A ordem foi acatada pela associação que, no entanto, se retirou do local sob protesto.
Ainda assim os dirigentes da associação distribuíram algumas dezenas de litros de leite a transeuntes ou pessoas que iam para o piquenique na avenida. 
A Associação Nacional de Produtores de Leite e de Carne (APLC) foi  impedida de oferecer mil litros de leite junto ao Marquês de Pombal para protestar contra a venda de leite importado nas grandes superfícies.
Há algo aqui que não joga bem! Por um lado incentivam o consumo de produtos nacionais mas por outro....
Quanto à “quinta” instalada na Avenida da Liberdade, acho deplorável  a ideia do local e passo  enumerar :
Findo o concerto do conhecido cantor de música “pimba”, uma onda gigantesca de multidão, lançou-se avenida acima no que me pareceu-me ser uma manifestação de , na sua grande maioria, saloios ( e não querendo ofender os verdadeiros saloios) a passearem-se entre canteiros de couves , alfaces e tomates, como se estes fossem objectos estranhos vindos de um outro planeta. Saliento que, apesar da proibição e fiscalização manifestamente insuficiente para tamanha avalanche de “Portugal no seu melhor” a passagem dos “saloios” equivalia a arrancarem o mais que pudessem todos os vegetais existentes, não obstante os avisos de que tal não era permitido e que todos os produtos seria doados a instituições de solidariedade social. Em vão! O povo tem orelhas moucas! Muitos dos canteiros ficaram despidos do alecrim, da salsa, do hortelã; as alfaces eram retiradas, vindo atrás o torrão, as meloas apanhadas , mesmo verdes, as maças retiradas das árvores, a lista seria exaustiva, poucos foram os canteiros que ficaram intactos, e mesmo estes “salvaram-se” por terem perto a  vigilância de firmas de segurança! No mínimo ridículo!! Até vi as batatas serem  trincadas crúas , pasme-se!!!
Óbvio que nem os pobres animais escaparam do sossego e tranquilidade do meio onde foram arrancados, o que recusei determinantemente ver, uma porca com as suas crias recém-nascidas, rodeada pela bestiaria  que apontava delirante, como se nunca na vida tivesse visto um suíno ao vivo e a cores. Cabras, ovelhas, patos , galinhas tudo animais extra-terrestres !Desgraçados animais!!
Ora até aqui pareço-vos estar  do contra , mas não é bem assim; acho que a ideia até  é boa, mas façam-no em Monsanto ou no Parque da Bela Vista!!  Mas... que sejam os nosso produtores a trazerem os  produtos; a  e a comercializá-los e não uma grande superfície comercial como o Continente; tudo isto não passa de uma gigantesca operação de marketing muito bem orquestrada, a tal ponto que até a RTP – que deveria significar serviço público – passa um dia inteiro a transmitir em directo!!! Eu pasmo com tudo isto! Tudo somado quanto se gastou? E finalmente a quem aproveitou? Argumentam que muitas das crianças não sabem a génese dos produtos, não sabem de onde vem o frango ou a vaca... pois muito bem e papel didáctico das escolas? É que não é só distribuir Magalhães....para além de que, os pais ao educarem os filhos deveriam elucidá-los sobre o “campo” e a “cidade” sob pena de vermos meio milhão de pessoas em plena avenida de uma capital da Europa a olhar para os tomates, alfaces e cebolas, como se da primeira vez se tratasse!!!
E termino com esta constatação....aqui há uns dias atrás fui ao mencionado hipermercado, procurei pelas cenouras nacionais.... não havia...
Tenho dito!



4 comentários:

OceanoAzul.Sonhos disse...

(nestes dias mudo de canal...)Completamente fora deste acontecimento, não fosse este seu relato sobre o sucedido e o transito interroptido a semana passada na avª da liberdade, quando passei por lá para ir para as aulas.
Concordo, em absoluto com o que escreveu.
oa.s

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Joãozitamiga

Disseste - e disseste muito bem. Uma só adenda: não sei se vi bem, mas parece-me que sim: o Sôr Belmiro pagou 100.000 € à CML; kaganda leiteira...

Qjs - de leite nacional, claro, cumo binho tinto

Arroba disse...

OceanoAzul.Sonhos, agradecida pela visita e pela concordância na matéria :) Pena que seja assim neste modo!

Arroba disse...

Caro Amigo da Travessa do Ferreira,
Escapou-me deliberadamente essa dos 100.000 euros por não ter a confirmação e, não fosse o Belmiro processar-me, fiquei-me pela descrição da invasão terráquea!!
Até me custou a acreditar que se tivesse alugado a Avenida da Liberdade por 100.000 euros ..e logo a da Liberdade!!
É , de facto, uma ganda leiteira!!