28 fevereiro 2011

Literando, literal, leito ou lado lunar



A arte da literatura é viver sem ser feliz
Pintar a vida como se fosse
A boca da meretriz.
Vermelho violáceo
Leve sabor a pistácio.
Só quem é triste diz poesia
Como se dissesse baixinho
O teu nome  maresia
Burilando nas palavras
Um cruzadismo, xadres
Uma estética inventada
Uma gota destilada
Palavra que surge à vez.
Não existe semiótica
Nem arco, vitral
Um qualquer portal
Arte nova ou mesmo gótica
Uma única verdade nua
Literatura é  fingimento
Mascar da vida, magia
Ocultando o sofrimento.

3 comentários:

A.S. disse...

Chegará o dia em que a poesia se faz sem linguagem. Dia em que se convocam todos os desejos, disseminados nos versos, reunidos de súbito em dois olhos já cansados, pela frenética ausência da página em branco...


Beijos meus,
AL

Paulo V. Pereira disse...

Que belas figuras de estilo...
Que bela escrita...

Beijo

Evanir disse...

Amigos traz sempre mais amigos é por isso que estou aqui.
Gostaria que o Mundo desse a volta em torno da terra sómente de poesias .
Encantada maravilhada com seu poema estou a seguir-te.
Um abraço de carinho ,Evanir.
http://aviagem1.blogspot.com/