24 novembro 2009

Arte Real da Poesia

A poesia é o eco da tempestade
Eclodindo dentro do ser
Sentindo de todas as formas
Na noite escura da alma
Num eterno renascer

Ser feliz é estar livre do mundo
Livre de mim
Livre de ti
Do pesado peso da insensibilidade
Viver hoje, sem o ontem
Alma mater sem idade
Seguindo a intuição
Buscando o sentido oculto
Alquimia da Verdade

5 comentários:

Anónimo disse...

No post Serotonina deixei num comentário a explicação de como aqui cheguei e além disso deixei um reparo sobre a dificuldade de leitura do blog.
Alterando o tamanho das letras resolveu o problema.Pela minha parte fico agradecido.
(...)
"Viver hoje sem o ontem
Alma mater sem idade
Seguindo a intuição"
(...)
Confesso que sigo a minha intuição (talvez por isso aqui esteja), mas não vivo o hoje sem o ontem.
Direi mesmo que "sou hoje" porque " fui ontem".
Mas isso são maneiras de encarar a vida e até pode não ser poesia.
Ao contrário do que possa parecer, gostei e aparecerei mais vezes.
(...)

Anónimo disse...

No post Serotonina deixei, anonimamente, a explicação de como aqui vim parar. Também deixei um reparo sobre a dificuldade de ler o blog. Creio que fui ouvido e a alteração do tamanho da letra resolveu o problema. Pela minha parte, obrigado.
(...)
"Viver hoje, sem o ontem
Alma mater sem idade
Seguindo a intuição"
(...)
Sigo bastante a minha intuição, mas "vivo hoje" porque "fui o ontem".
Isto pode não ter nada a ver com poesia...
Não conclua que não gostei. Continuarei a vir visitar o blog.

Arroba disse...

Muito obrigada pelos seus conselhos.Terei a ganhar se os seguir.
Quanto a "viver hoje sem o ontem"...gostaria de significar o seguinte: Desapego ao passado, sem fantasmas, - alma mater sem idade - aberta a novas etapas de conhecimento. Pessoa propõe um processo com três fases, que lembram os três graus da Maçonaria antiga (graus de aprendiz, companheiro e mestre): o Neófito que mergulha desenfreadamente num estudo devorardor das mais variadas matérias; segue-se-lhe o adepto ou unificador que ama por igual todas as áeras do conhecimento;
Mais tarde surge o Mestre que destrói a unidade interior ( que é passado) em prol de um outro nível mais elevado.
Sonho eu chegar aí....à pedra filosal das letras... mas só sonho,o passado terá que ficar para trás....
Espero que me tenha lido....

Arroba disse...

*Pedra Filosofal"

Carapau disse...

Para já não foi conselho. Foi um aviso/alvitre. Agora lê-se perfeitamente bem. Obrigado eu.
Quanto ao "viver o hoje sem o ontem", continuo na minha:é o ontem (entendo como todos os conhecimentos que já adquirimos) que nos permite chegar a niveis mais elevados (chame-lhe pedra filosofal das letras, se quiser), mesmo que seja só sonho.
Pano para mangas dava a discussão, mas não é o lugar apropriado, nem eu certamente o mais equipado para a ter. Vou só "comentando" à minha maneira.
À margem:
1- Espero que desta vez o comentário fique gravado. É a 3ª tentativa.
2- O anónimo anterior passa a identificar-se como Carapau